Ranking - Regulamento
Vencedores da Expointer mostram evolução da raça Corriedale


     A Grande Campeã FKL Trairas da Felicidade 1810, da Cabanha Vista Alegre, Pedras Altas, da criadora Elisabeth Amaral Lemos e a Reservada Três Marias 75 1582, de Claudio de Medeiros Boffil, de Barra do Quarai, foram as vencedoras fêmeas, ao passo que entre os machos o Grande Campeão ficou com Paty 51 1772, da Cabanha Santa Patrícia, de Santa Margarida do Sul, de propriedade de Carlos Alberto Teixeira e o Reservado com Burity 52 3847 da Cabanha Estância Escondida, de Alegrete, de propriedade de José Inácio de Andrade Freitas.


     Os animais levados para a Expointer foram considerados de alto nível pelo jurado José Galdino Garcia Dias, “a gente procurou em todo o julgamento trabalhar sempre procurando um animal de dupla aptidão que é o que a raça corriedale procura, a gente trabalhou com planilhas de área de lombo planilha de finura, então a gente levou muito em consideração esses índices que ajudaram o jurado, mas assim, a nossa linha de julgamento foi sempre buscar aquele animal com 50% carne e lã. Isso encontramos na grande campeã que é um animal de muito bom esqueleto uma borrega comprida muito bom velo,” apontou ele.


      Falando sobre os animais machos, Galdino disse que encontrou uma boa fila expressiva de carneiros e borregos de bom velo, “inclusive deixamos alguns com excelente velo para trás em função da falta de esqueleto”, ressaltou. Segundo ele, o grande campeão é um animal que nos apresentou conformação e parte carniceira muito boa com bastante pureza racial e também bom velo que o levou a dar o grande campeonato em função do equilíbrio tanto na parte de carne quanto na de lã.


      A raça corriedale tem como uma lã pura de 26,5 a 30,9 microns que é a micronagem que o standart da raça preconiza, segundo o jurado Galdino, “nós temos que levar em consideração que alguns animais apresentaram um número acima do que a raça pede mas a gente tem que considerar que são animais que estão super alimentados e quando esses animais voltarem para seu habitat natural que é o campo voltarão a ter uma micronagem mais baixa eu acredito que eles vão estar como o standart pede que é o cruza 1 e 2,” finalizou.

 

     Beht Lemos: “agora vamos cuidar dos ovinos para o verão”

     Ao comemorar o Grande Campeonato conquistado pela FKL Trairas da Felicidade 1810, Beth Lemos disse-se estimulada a voltar para casa com mais força e trabalhar de novo, agora para os ovinos de verão, “ganhar um prêmio como esse disputando com cabanheiros de renome é uma coroação do trabalho”, concluiu.
 

     Falando das influências sofridas pelo criador para que a produção de animais com baixa micronagem de lã, que permite velos mais finos, Beth alerta para que o corriedalista não se deixe levar apenas pelo mercado da lã, mas também o da carne, de modo a sempre buscar o equilíbrio lã e carne em seus produtos, procurando animais de conformação destacada, para poder colocar bom velo em cima, o que nem sempre acontece, “às vezes o animal é grande campeão, mas a coisa não anda bem no produto, então é preciso trabalhar para ver as melhores linhagens, trabalhar em casa para ver qual ovelha acerta melhor com tal carneiro e sempre procurar achar bons pais em cima de boas mães. Essa sempre foi a orientação da nossa cabanha, ter boas mães foi uma preocupação desde o nosso início, quando a gente começou. Sobre a micronangem, temos que cuidar para não irmos para velos muitos fortes, porque esses não fazem parte do padrão da nossa raça, devemos manter o standart da raça”, asseverou.

 

Carlos Alberto Teixeira:”foi uma disputa acirrada”

      Dizendo-se surpreso ao ver seu animal vencedor entre um lote de qualidade excepcional, mesmo reconhecendo que Paty 51 1772 era muito bom entre os demais, Carlos Alberto falou com emoção sobre a mais aquela conquista da Cabanha Santa Patrícia. “Foi uma disputa muito acirrada e esse é o terceiro grande campeonato que eu ganho com macho e já ganhei duas de fêmeas nos últimos nove anos, então fico contente e realizado.

 

ARCO: “aqui estão os melhores materiais genéticos do mundo”

      O presidente da ARCO, Paulo Afonso Schwab, disse que a Expointer é a grande vitrine para o produtor, o lugar da grande mostra, não só do Corriedale, mas de todas as raças que ali comparecem para exibir atualidade do material genético e neste aspecto, “nós temos aqui um dos melhores materiais genéticos do mundo, não falo nem da América, falo do mundo. Nossos animais são muito bons e estamos tendo a oportunidade de ver em pista grande qualidade dos animais produzindo excelente lã e o animal como o Corriedale com grandes estruturas de carne.


      Segundo Schwab, a ARCO é a grande responsável por esse material genético que nós temos, desde sua fundação em 1942 ela vem fazendo junto com os produtores este trabalho, “então ficamos tranqüilos porque com os nossos técnicos, nós vamos desenvolvendo e conseguimos chegar nesse material genético. Vejo que hoje é o momento da ovinocultura, com um aumento de preço da carne, trabalhando com preços no cordeiro de R$ 11,00 o quilo da carcaça, isso ai é muito bom. Nós temos a certeza de que a nossa ovinocultura vai dar agora um salto em quantidade em nossos rebanhos,” disse.

 

Pedro Roberto Bojill: “momento oportuno para negócio”

     “Acho que o Corriedale está muito bem representado aqui (Expointer),o pessoal está se comportando bem enquanto à finura da lã que se está exigindo, está bem representado. Uma amostra muito boa tanto nas fêmeas quanto nos machos. Vejo que a evolução da raça é muito boa no momento em que a ovelha está em alta. Momento oportuno para negócio”, avaliou Bojill.


      Segundo ele, o Corriedale é um animal de dupla aptidão, hoje a carne está sendo muito valorizada e a lã do Corriedale é uma lã de valor mediana no mercado. A finura da lã do Corriedale está economicamente de acordo com o poder aquisitivo da média do povo, do ponto de vista da produção, enquando as lãs mais finas têm um alto valor no mercado e um custo caro para produção. Além disso, ressalta Pedro Roberto Bojill, “ o Corriedale dá um cordeiro de muito boa conformação, é a raça mais difundida aqui no Rio Grande, Uruguai e Argentina.”

 

Joaquim Soares Neto: “os jovens são o futuro”

      Estreante na Expointer, Joaquim Soares Neto carrega mais do que um quarto lugar com ANIMAL DELE/CATEGORIA, leva consigo o comprometimento com a história de sua cabanha que vem passando de geração há 60 anos e todo o jovem entusiasmo que o faz afirmar que “a ovelha vale a pena, nunca dá prejuízo”, referindo-se ao Corriedale.


      Admirador dos conhecimentos do cabanheiro Aramis La Torre, hoje com 80 anos, Joaquim absorveu muitos ensinamentos, que somados aos de seu avô e aos do pai, o habilitam a nome de futuro no criatório de qualidade e de importante contribuição para a raça. “Agora estamos aqui na Expointer com duas borregas e a meta é aumentar, nosso auge é a Feovelha , onde há anos levamos animais e ganhamos campeonatos com a Cabanha Espinilho do meu avô e pai”, afirmou.


Jair Meneses: “orgulhoso dessa apresentação”

      O ex-presidente da Associação de Criadores de Corriedale, Jair Meneses, não deixou passar a oportunidade de parabenizar a todos os criadores e a Entidade pela apresentação feita na Expointer 2010, “com animais de muito boa lã e de muito boa parte carneceira, pois vemos um verdadeiro Corriedale”, estendendo sua saudação ao atual presidente, diretoria e a razão de ser dos expositores e tratadores.

 

Carlos Cleber: “é a hora de suprirmos o mercado”

      O presidente da Associação de Criadores de Corriedale, Carlos Cleber, tem clara visão mercadológica e afirma que há demanda reprimida de lã e carne ovina, sendo este o momento para o crescimento dos rebanhos. “Nós temos que pensar um pouco diferente, nós medimos a ovinocultura de uma forma fenotipicamente e ela deve ser genotipicamente, temos que medir a eficiência do nosso carneiro, onde está colocada a ovinocultura no Estado, lugar em que a soja tomou conta, onde a floresta também, o arroz da mesma forma, temos que saber medir tudo isso, pois uma raça que representa de 60% a 70% do universo da ovinocultura do Estado nos permite pensar um pouco mais alto, nos reunirmos com a pesquisa, enfim... um animal que tem 150 kg é aquele que nós precisamos para os campos mais duros?”, indaga ele, “temos uma raça com grande qualidade e temos que manter sua lã com qualidade e não afinar o Corriedale para cima ou para baixo do standart, precisamos que ela produza 50% de lã e carne e essa carne hoje revigora forte e essa lã certamente vai revigorar forte, temos que ter a sabedoria de nosso lado, união e fazer aquilo que o Brasil quer comer e as pessoas vestir, promover o produto que traz ao criador sustentabilidade”, continuou Cleber.


      O presidente da ACCorriedale, disse que no momento em que a culinária começou a provar a carne de cordeiro, ouve uma super valorização dela, que a comercialização da carne de ovelha nos dois últimos anos está de vento em popa, a ponto de os frigoríficos quererem abater mil animais por dia e não conseguirem a metade, tendo então que se suprirem do cordeiro do Uruguai. Essa solução buscada para a indústria está com dias contados, segundo Carlos Cleber, uma vez que o mercado internacional abriu-se para o Uruguai, no caso, oriente médio, EUA e Europa. Falta produto para os frigoríficos brasileiros.


      Falando sobre o mercado da lã, Cleber reprisou que a “nossa ovelha tem dois produtos: carne e lã e que as consome são as classes A e B quem compra um casaco de lã?, classe A, B ou C melhorado. O estoque de lã hoje no mundo é zero, o mercado é ascendente, têm países fortes compradores como China, continua crescendo o interesse pelo consumo a India e Rússia, isso tudo faz com que a demanda de lã seja crescente. A lã da Austrália, do Merino, está toda focada na lã fria, na alta confecção, que não é a lã do corriedale, então aquela concorrência pesada que nós tínhamos não temos mais”, alerta o presidente.


      A mão de obra desqualificada é um dos problemas para o produtor, diz Carlos Cleber, o abigeato é significativo, impedindo maiores rebanhos, propriedades que poderiam comportar mil ovelhas, mantém apenas 200, problemas não faltam, salienta, mas “todo o negócio é como uma roda de carreta, tem seus altos e baixos, então quando se está por baixo, não se pode vender todo o rebanho e esperar a alta para comprar novamente, precisamos batalhar e superar as dificuldades”, finalizou.

 

Wollmark Company: “o futuro é muito próspero”

      Claudio Hausen, em nome da Wollmark Company, durante a entrega de prêmios na sede da ACCorriedale, afirmou que “o futuro é muito próspero , a mensagem é de olhar para ele, a associação está reunida novamente, as pessoas estão querendo colocar o Corriedale para cima e com modernidade ou seja a associação tem que partir de ter medidas objetivas de progresso e oferecer para novos clientes garantias numéricas de crescimento genético, qualidade é o que se mede e o Corriedale vem tendo a oportunidade de se quiser fazer". Em sua fala, Hausen destacou a brilhante atuação da atual diretoria da Associação, tendo à testa Carlos Leal, cujo esforço de congregar pessoas vem dando mais e melhores resultados e disse ver forte união com objetivo de levar a raça a tal qualidade, para progresso genético e desempenho de progênies e medidas objetivas de medição de progresso genético.


     “O futuro da raça não só no Brasil, mas como no mundo, passa por essa modernidade, onde novas medidas objetivas de progresso genético, de oferecer animais reprodutores com garantia, onde os compradores estão adquirindo melhoradores genéticos (reprodutores). Na America Latina, principalmente, o espaço do Corriedale tem sido muito privilegiado e pelo que nós entendemos vai continuar dessa forma. Definitivamente, o Corriedale se adapta e já é considerado o top desses campos da América do Sul,” sentenciou o representante da Wollmark Company.

 

<Veja galeria de fotos>

 

 

Relação da premiação:

 

Machos PO
* Grande Campeão, Campeão Borrego Dois Dentes, 1º Prêmio, Melhor Cabeça de Macho e Melhor Conformação
– Paty 1772, cr. e exp. Carlos Alberto Teixeira, Cabanha Santa Patrícia, Santa Margarida do Sul

 

* Reservado Grande Campeão, Campeão Borrego Dente de Leite e 1º Prêmio – Burity 3847, cr. e exp. José Inácio de Andrade Freitas, Estância Escondida, Alegrete

 

* Terceiro Melhor Macho, Campeão Carneiro e 1º Prêmio – Santa Odessa ZZ 2 2076, cr. e exp. Luiz Carlos Engelhart Petrarca, Cabanha Quinta Santo Antônio, Lavras do Sul

 

* Quarto Melhor Macho, Reservado Campeão Dente de Leite e 2º Prêmio – FKL Cristal da Felicidade 1823, cr. e exp. Elisabeth Amaral Lemos, Cabanha Vista Alegre, Pedras Altas

 

* Reservado Campeão Carneiro e 2º Prêmio – Santa Odessa ZZ 2 2078, cr. e exp. Luiz Carlos Engelhart Petrarca, Cabanha Quinta Santo Antônio, Lavras do Sul

 

* Reservado Campeão Borrego Dois Dentes e 2º Prêmio – Três Marias 1415, cr. e exp. Claudio de Medeiros Bofill, Estância Três Marias, Barra do Quaraí

 

* Terceiro Melhor Carneiro e 3º Prêmio – Nova Aurora 3705, cr. e exp. Gastão Bravo de Medeiros, Cabanha Nova Aurora, Quaraí

 

* Terceiro Melhor Borrego Dois Dentes e 3º Prêmio - Santa Ângela 257, cr. e exp. José Luiz Maroña Pons, Cabanha Santa Ângela, Uruguaiana

 

* Quarto Melhor Carneiro e $º Prêmio – Traíras 803, cr. e exp. Cond. Parrásio Simões Collares Filho, Cabanha São Matheus, Bagé

 

* Quarto Melhor Borrego Dois Dentes e Melhor Velo de Machos, 1º Prêmio (lã inteira) – Prestige de Bofill 1741, cr. e exp. Pedro Roberto Irigoyen Bofill, Cabanha Recreio, Barra do Quaraí

 

* 2º Prêmio (cat. borregos dois dentes lã inteira) – JEP 64, cr. e exp. Luis Claudio L. Pereira/Fernanda R. Scardoelli e Filhos, Cabanha Santa Cecília, Dom Pedrito

 

* 4º Prêmio (cat. borregos dois dentes) – Santa Ângela 263, cr. José Luiz Maroña Pons, exp. Oscar Silva Vitorino, Cabanha Boa Nova, Santiago

 

* 5º Prêmio (cat. carneiros) – JEP 41, cr. e exp. Luis Claudio L. Pereira/Fernanda R. Scardoelli e Filhos, Cabanha Santa Cecília, Dom Pedrito

 

* 5º Prêmio (cat. borregos dois dentes) – Prestige de Bofill 1752, cr. e exp. Pedro Roberto Irigoyen Bofill, Cabanha Recreio, Barra do Quaraí

 

* 1ª Menção (cat. carneiros) – Floresta 2237, cr. e exp. Martin Maroña Pons, Estância Floresta, Uruguaiana

 

* 1ª Menção (cat. borregos dois dentes) – Cristal 881, cr. e exp. João Batista Cardoso de Lima, Cabanha Cristal da Pedreira, Santiago

 

* 2ª Menção (cat. borregos dois dentes) – FKL Cristal da Felicidade 1820, cr. e exp. Elisabeth Amaral Lemos, Cabanha Vista Alegre, Pedras Altas

 

* 3ª Menção (cat. borregos dois dentes) – Floresta IA 2347, cr. e exp. Martin Maroña Pons, Estância Floresta, Uruguaiana

 

* 4ª Menção (cat. borregos dois dentes) – Letícia 1753, cr. e exp. Lauro Antônio Mandarino Fittipaldi, Cabanha Letícia, Barra do Quaraí

 

* 5ª Menção (cat. borregos dois dentes) – Cristal 859, cr. e exp. João Batista Cardoso de Lima, Cabanha Cristal da Pedreira, Santiago

 

Fêmeas PO

* Grande Campeã, Campeã Borrega Dente de Leite, 1º Prêmio, Melhor Cabeça de Fêmea e Melhor Velo de Fêmea – FKL Traíras da Felicidade 1810, cr. e exp. Elisabeth Amaral Lemos, Cabanha Vista Alegre, Pedras Altas

 

* Reservada Grande Campeã, Campeã Borrega Dois Dentes, 1º Prêmio e Melhor Conformação de Fêmea – Três Marias 1582, cr. e exp. Claudio de Medeiros Bofill, Estância Três Marias, Barra do Quaraí

 

* Terceira Melhor Fêmea, Campeã Ovelha e 1º Prêmio - Paty 2069, cr. e exp. Carlos Alberto Teixeira, Cabanha Santa Patrícia, Santa Margarida do Sul

 

* Quarta Melhor Fêmea, Reservada Campeã Borrega Dente de Leite e 2º Prêmio – J.S.N. do Espinilho 028, cr. e exp. Joaquim Soares Neto, Cabanha Espinilho, Bagé

 

* Reservada Campeã Borrega Dois Dentes, 2º Prêmio e Melhor Conformação – Prestige de Bofill 1745, cr. e exp. Pedro Roberto Irigoyen Bofill, Cabanha Recreio, Barra do Quaraí

 

* Terceira Melhor Borrega Dois Dentes e 1º Prêmio (lã inteira) – FKL Guerra da Felicidade 1799, cr. e exp. Elisabeth Amaral Lemos, Cabanha Vista Alegre, Pedras Altas

 

* Terceira Melhor Borrega Dente de Leite e 3º Prêmio – JEP 81, cr. e exp. Luis Claudio L. Pereira/Fernanda R. Scardoelli e Filhos, Cabanha Santa Cecília, Dom Pedrito

 

* Quarta Melhor Borrega Dois Dentes e 1º Prêmio (gestante ½ lã) – J.S.N. Espinilho 024, cr. e exp. Joaquim Soares Neto, Cabanha Espinilho, Bagé

 

* 3º Prêmio (cat. borregas dois dentes) – Farroupilha 480, cr. e exp. Oscar Silva Vitorino, Cabanha Boa Nova, Santiago

 

* 4º Prêmio (cat. borregas dois dentes) – JEP 67, cr. e exp. Luis Claudio L. Pereira/Fernanda R. Scardoelli e Filhos, Cabanha Santa Cecília, Dom Pedrito

 

* 5º Prêmio (cat. borregas dois dentes) – JEP 66, cr. e exp. Luis Claudio L. Pereira/Fernanda R. Scardoelli e Filhos, Cabanha Santa Cecília, Dom Pedrito

 

* Melhor Conjunto de Fêmeas – JEP 66, JEP 67 e JEP 81, cr. e exp. Luis Claudio L. Pereira/Fernanda R. Scardoelli e Filhos, Cabanha Santa Cecília, Dom Pedrito
 

por Leandro e Fernando Vieira
Voltar para notícias

Publicidade








Associação Brasileira de Criadores de Corriedale, Todos os direitos reservados. © Copyright 2010
Fone (55) 3232 58 55 - Rua Coronel Sezefredo, 287 - São Gabriel - RS - CEP 97300-000 | Desenvolvido por Fernovi